16/01/2018

Escola Judicial adota lema: Como podemos ajudar na jurisdição?

<<Voltar
Desembargador Cássio Colombo Filho
Desembargador Cássio Colombo Filho falou sobre os projetos e diretrizes da Escola Judicial no biênio 2017/2019

O desembargador Cássio Colombo Filho, diretor da Escola Judicial no biênio 2017/2019, concedeu entrevista à assessoria de comunicação do TRT-PR, tratando dos projetos e diretrizes que serão dadas aos temas de formação inicial e continuada de magistrados e servidores.

Com o lema "Como podemos ajudar na jurisdição?" a Escola Judicial atentará a três pilares: formação técnico-jurídica; metodologia e tecnologia da informação, e qualidade de vida.

A Escola Judicial estabeleceu três macrotemáticas prioritárias para a agenda científica-cultural: formação em regimes de previdência (regime próprio e regime geral de previdência), compreensão das expectativas do magistrado/servidor e seus dependentes, planejamento sucessório; reforma trabalhista; compromisso em capacitar para a readaptação de servidores, em revisão de carreiras, oferecendo sustentação às questões originárias da Resolução 219 do CNJ para a priorização do 1º Grau.

O desembargador diretor associa a esfera da metodologia ao desenvolvimento de afinidades com a tecnologia da informação, para assimilar métodos de trabalho mais fáceis, ágeis e úteis. Para essa finalidade, entende não bastar oferecer cursos segmentados em ferramentas eletrônicas, mas a necessária interação entre o aprendizado de sistemas eletrônicos e o despertar do interesse do capacitado para as facilidades adquiridas.

O terceiro pilar, que diz respeito à qualidade de vida, tratará de integrar às iniciativas formativas técnicas de aprendizado para manutenção do foco, concentração, como por exemplo é a tendência científica do uso da meditação "mindfulness". A dinâmica das atividades respeitará os indivíduos, propondo cuidados com saúde, higidez mental, controle de emoções, que propiciem a construção de objetivos e o planejamento saudável das rotinas de trabalho.

Enunciados os eixos temáticos de base, a Escola Judicial está aberta à gestão colaborativa e para tanto disponibiliza até 26 de janeiro, no seu ambiente virtual, consulta a magistrados e servidores para colher sugestões de atividades que se interessem sejam desenvolvidas. A partir da análise desta pesquisa será divulgado o Calendário de Atividades Formativas. O site da Escola Judicial do TRT-PR ead.trt9.jus.br/moodle/ (consulta exclusiva para magistrados e servidores, sendo necessário o login de rede e senha).

Incentivo à formação continuada

O desembargador diretor destacou a honra e o momento ímpar em sua carreira na magistratura, porque sempre aspirou dirigir a Escola Judicial, reunindo sua ligação com a área acadêmica à formação sólida do magistrado e do servidor, em maior sintonia com a realidade da jurisdição. Percebeu esta necessidade desde quando chegou ao Paraná, vindo do Estado de São Paulo e outras realidades, razão pela qual participa praticamente desde o início da hoje madura Escola Judicial, quer como professor, conselheiro, vice-diretor e atual diretor.

Na evolução da Escola Judicial do Tribunal do Trabalho paranaense, que completou 13 anos em dezembro de 2017, o desembargador Cássio Colombo Filho distingue o reconhecimento de seu espaço institucional específico, com natureza própria na Administração. A consciência do papel fundamental das estruturas de Escolas Judiciais recebeu grande fôlego com o reconhecimento do CNJ, do CSJT, do TST e da Escola Nacional da Magistratura do Trabalho - ENAMAT. Assim, a Escola Judicial é caminho para a melhoria das condições de trabalho e do trabalho em si.

A composição da Diretoria, sendo vice-diretor o desembargador Aramis de Souza Silveira, também é inovação que deve orgulhar a estrutura democrática do TRT-PR. Formada a "chapa" e submetida ao Pleno, teve início o primeiro processo eleitoral para constituição da administração da Escola Judicial. Os integrantes do Conselho Administrativo mantiveram contatos prévios às candidaturas e demonstraram entusiasmo na construção do colegiado, que acabou definido por votações expressivas e o reconhecimento pelos pares. O desembargador Cássio Colombo Filho enfatiza a não obrigatoriedade do voto, mas ainda assim a interessada participação dos magistrados.

Outro projeto que prossegue com pleno êxito é a Revista Eletrônica, publicada mensalmente há sete anos e com proposta sempre temática. A publicação ultrapassa 1 milhão e 500 mil leitores em suas várias edições, oferecendo canal vivo para a expressão do estudo de questões vinculadas ao trabalho. A Revista Eletrônica, por suas características, segundo o Diretor, demonstra os exatos pilares desta administração da Escola, inclusive ao compartilhar conhecimento por intermédio de tecnologia intuitiva.

Conheça a seguir a composição da Escola Judicial do TRT-PR para o biênio 2017/2019

Desembargador Cássio Colombo Filho (Diretor); desembargador Aramis de Souza Silveira (Vice-Diretor); juíza Morgana de Almeida Richa (Coordenadora); juiz Luciano Augusto de Toledo Coelho (Vice-Coordenador); desembargador Célio Horst Waldraff (Conselheiro); desembargador Eliázer Antonio Medeiros (Conselheiro); juiz Marcus Aurélio Lopes (Conselheiro); juiz Leonardo Vieira Wandelli (Conselheiro); juíza Vanessa Karam de Chueiri Sanches (Conselheira); juiz Roberto Wengrzynovski (Conselheiro); e juiz titular Paulo da Cunha Boal (presidente da Amatra IX).

Assessoria de Comunicação do TRT-PR
Foto: Jason Silva
(41)3310-7313
ascom@trt9.jus.br

Última atualização: quarta, 17 Jan 2018, 14:40